Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

Tempo sem tempo

Levanto-me e já não o faço com a ligeireza de outrora. As costas vergadas e doridas gritam a plenos pulmões, não sei se vergadas do colchão ou dos anos ou de tudo junto.

Vou até à casa de banho. Olho-me no espelho e ele, sem piedade revela na cara daquela que me retribui o olhar, algumas rugas e outras marcas que o tempo gravou. Bem, não sei se foi bem o tempo que as gravou, pois as rugas são efeito dos trabalhos, das canseiras da vida e da labuta diária.

Há muito tempo que não me dou bem com esse outro eu que aparece diariamente do outro lado do espelho e me estampa na cara outra cara, todos os dias igual, todos os dias diferente. Mais cansada, mais baça, mais triste, menos bonita, que é uma forma atenuada de dizer mais feia. É mesmo impiedoso, este outro eu.

Arrasto-me até ao chuveiro e a água quente faz-me acordar e restitui-me alguma energia, às vezes fazendo-me esquecer a imagem do espelho. Quando estou mesmo bem disposta, cantarolo desafinadamente.

Outras vezes fico a matutar onde teria ido parar aquela jovem que aparecia há uns anos no outro lado do espelho. Evaporou-se por aí, sem ter pedido autorização para partir. Sem ter sequer avisado que se ia ausentar para sempre. Perdeu-se, a pouco e pouco, tal como se perdem as folhas das árvores no Outono. Mas, ao contrário delas, que nascem de novo na Primavera, nunca mais voltará.

Eu fui mudando, não só por minha vontade, mas também pela força das circunstâncias. Digo isto porque as circunstâncias têm sempre muita força, muito mais do que nós. Deixei para trás as intenções que tinha de conseguir mudar o mundo e mudei eu, adaptando-me ao mundo.

Fico a pensar em tudo o que vivi e penso se tudo terá valido a pena. Perdi algumas coisas. Ganhei outras. O importante, verdadeiramente, é a forma como valorizamos o que ganhamos e desvalorizamos o que perdemos, não lhe dando grande importância. Colocarmo-nos um pouco de lado, deixar passar e não nos pormos no centro de tudo.

Uma simples flor pode valer um milhão, se nos fizer sorrir. Um sorriso de criança pode valer uma vida e eu já vi tantas crianças sorrir... Também já vi chorar algumas.

Há dias em que aceito a vida tal como ela é e deixo que o tempo passe por mim e leve o seu sopro para onde quiser. Às vezes nem sequer me apetece comunicar, o tédio toma conta de mim e só me apetece afastar-me de toda a gente. Outras vezes é o contrário, arrumo tudo o que me aflige no armazém da memória, geralmente na gaveta da nostalgia, e tenho sede de viver verdadeiramente. O importante é manter o equilíbrio entre essas duas formas de encarar a vida. Porque é no equilíbrio que reside o segredo de tudo. E já que a imagem de outrora nunca mais me retribuirá o olhar no espelho, é aprender a conviver com a actual. Que remédio!

publicado por daplanicie às 08:36

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De guiga a 27 de Fevereiro de 2009 às 15:42
Eu acredito que continuas linda! :)
A tua jovialidade sente-se na tua escrita.
E, quanto às dores de costas, eu, com 28 anos, também as tenho! E muito!
Sorri e tudo passa!
Abracinho!
*.*
De Júlia a 28 de Fevereiro de 2009 às 19:22
Amiga, que desânimo é esse?
Se não podemos lutar contra os efeitos do tempo (a não ser que queiras ficar assim tipo múmia, para o que terás de gastar uma quantidade enorme de dinheiro...), então, o melhor é encarar esse efeitos com o maior optimismo e tirar partido do que cada etapa da vida nos pode proporcionar de melhor.
Acho que posso falar de cátedra porque já estou na curva descendente...
Beijinhos
De inoutyou a 28 de Fevereiro de 2009 às 22:04
Olá Luz,

o espelho não engana, já diz a publicidade. Assim, que melhor remédio senão aceitarmo-nos como somos, como o tempo nos vai alterando. A vida é assim mesmo...e eu que o diga.

Beijinhos e Bom Fim de Semana
Alexandrino
De dolce_vita a 28 de Fevereiro de 2009 às 22:20
Amiga,as tuas palavras são o testemunho do que muitas de nós sentimos...nem sempre as proferimos ou escrevemos,guardamo-las num silêncio sepulcral
E nesse silêncio desfazemos os sonhos.Não estás sozinha nessa nostalgia...mas somos mulheres de raça!
Olhemos o espelho com os olhos de outrora...mesmo que cada ruguinha espreite teimosamente.
Um grande abraço
RS

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Emocionalmente Saudável

. Ano Novo, Vida Velha

. Esperar

. Aos meus amigos

. O valioso tempo dos madur...

. Filhos

. Sinto-me...

. Hoje

. Tirar o "S" da CRISE

. Chuva...chuva...chuva

.arquivos

. Janeiro 2014

. Julho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on-line

website stats

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds