Domingo, 20 de Setembro de 2009

Os filhos crescem

Os filhos são a nossa vida. Desde que nascem, a nossa vida começa a desenrolar-se em função deles, das suas necessidades, do seu bem estar e, muitas vezes, até dos seus caprichos.

Mas, a cada minuto que passa, os filhos crescem e, quando damos conta, transformaram-se em adultos autónomos e independentes que já não precisam dos nossos cuidados constantes, embora nós teimemos em querer continuar a dar-lhos. Coisas de mãe!

A minha filha, segue segura o seu destino, com uma alma linda sempre repleta de carinho e cuidados  pelos que ama. Profissional competente, vai trilhando os seus caminhos, com o coração dividido entre a grande cidade e este cantinho do Alentejo, onde regressa sempre que a profissão lhe permite.

O meu filho, agora plenamente ciente do que quer da vida, batalha para conseguir alcançar os seus sonhos e revela-se cada vez mais alguém com quem posso contar a qualquer momento, sendo evidente o seu amadurecimento e abertura de coração e de alma a quem o ama incondicionalmente. Nunca agradecerei o suficiente a Deus pelos filhos maravilhosos que tenho!

Sempre me esforcei para que ambos soubessem que a vida é um emaranhado de encruzilhadas e que, dependendo das escolhas que fazemos, assim serão os resultados que obtemos. Sabem também que, mesmo que façam as escolhas menos certas, contarão sempre com a mãe para que consigam alcançar os seus sonhos, mesmo que com algum tempo de atraso. Porque nunca é tarde para sermos aquilo que sempre desejámos ser, esta é a grande lição que a vida tem para nos ensinar!

Tanto um como outro parecem ter encontrado as coordenadas básicas para que o seu plano de voo pela vida decorra sem sobressaltos e isso é uma coisa que me tranquiliza e faz com que tenha um imenso orgulho de ambos.

O mais novo, adolescente, tem os olhos ainda banhados pela espuma da infância, mas já emite sinais constantes de autonomia que me enchem, simultaneamente, de orgulho e preocupação. Sei que é egoísmo da minha parte, mas gostaria de poder adiar esse crescimento por mais algum tempo. Nunca sentimos os filhos tão nossos como quando são crianças e, embora seja uma fase de grandes preocupações, também é o que mais momentos de grande ligação permite, mas a verdade é que rapidamente crescem e se tornam cada vez mais independentes.

A infância e a juventude têm uma certa luz que nunca mais regressará aos nossos olhos e revê-la nos olhos dos nossos filhos é algo de verdadeiramente mágico. Os do meu filhote ainda têm esse brilho tão especial, essas fagulhas brilhantes e enternecedoras que me comovem. Há momentos em que tudo parece caber nos seus olhos: toda a sabedoria, pureza, emoção, tristezas e alegrias do mundo. No entanto, é ainda apenas um olhar de menino que já quer ser homem.

Penso que as crianças têm uma capacidade invejável de conseguir viver apenas o presente, tendo total desapego pelo que já se passou e completo desinteresse pelo que ainda há-de vir. À medida que crescemos, no entanto, vamos gradualmente movendo o nosso eixo racional em direcção ao futuro.

Os adolescentes chegam ao cúmulo de desejar que o tempo voe, sem sequer desconfiarem que é precisamente isso que ele faz, sem o podermos impedir. A certa altura do nosso crescimento, todos nos tornamos prisioneiros do que está por vir pois é no futuro que mora a realização dos nossos sonhos, as metas que desejamos atingir e as recompensas que almejamos alcançar. É para esse momento que convergem todos os nossos esforços e expectativas.

O problema é quando, em nome desse futuro incerto, deixamos de aproveitar o presente, deixamos de viver os pequenos mas felizes momentos que a vida nos oferece. É quando conferimos demasiada importância ao futuro que deixamos de viver com intensidade o presente, é em nome de coisas que podemos nem sequer chegar a viver pelos mais diversos motivos, que muitas vezes não vivemos esses momentos especiais. Esta parece-me uma situação que, embora mais comum do que seria desejável, não deixa de ser insana pois quem não vive o presente, não constrói um passado digno de nota. E será um passado rico que nos permitirá ter um cesto recheado de boas recordações para que possamos  fazer belos piqueniques no Outono da vida.

Por tudo isto, faço intenção de aproveitar cada fagulha mágica que vem dos olhos do meu filhote, porque serão elas que me iluminarão a alma quando ele tiver finalmente crescido.

 

 

P.S. - Obrigada à minha amiga Guiga que me instou a escrever de novo!

 

 

publicado por daplanicie às 13:03

link do post | comentar | favorito
|
14 comentários:
De cuidandodemim a 20 de Setembro de 2009 às 16:11
Belíssimo texto, escrito com muita sensibilidade em que o orgulho de ser mãe transborda e a vontade de aproveitar a vida no que ela tem de essencial é notória.
Concordo consigo. Viver o presente, sem se preocupar em demasia com o futuro é uma das chaves para uma vida mais feliz.
Bjns
De daplanicie a 20 de Setembro de 2009 às 21:26
Muito obrigada por não teres desistido de passar por aqui apesar da minha ausência tão prolongada!
Beijinho grande
De inoutyou a 20 de Setembro de 2009 às 18:30

Olá Luz,

Finalmente um texto seu...Acredita se lhe disser que já tinha saudades??
Eu só tenho 1 filho, mas já 2 netos, e como é bom a cada semana que por aqui passam, vê-los crescer, se transformarem...Mas ao mesmo tempo, sentimos que a nossa vida corre muito rápido...

Beijinhos
Alex
De daplanicie a 20 de Setembro de 2009 às 21:28
Muito obrigada pelas suas palavras amigas e encorajadoras. Também eu já tinha saudades de escrever, após um período árido de imaginação e, pricipalmente, de disposição.
Eu estou na fase em que desejo muito ter netos mas em que os filhos ainda não decidiram ser chegada a hora... :-)
Beijinhos a boa semana de trabalho
De copiaperfeita a 20 de Setembro de 2009 às 21:32
Excelente texto. Mas será para continuar, porque visitar o blog, sem uma linha, traz alguma preocupação relativamente à sua autora.
Cumprimentos e uma boa semana .
De daplanicie a 20 de Setembro de 2009 às 23:26
Realmente não tenho estado na melhor das fases mas é bom saber que a minha falta foi sentida. Muito bom, mesmo! :-)
Muito obrigada pelas tuas palavras e um beijinho grande
De artesã a 20 de Setembro de 2009 às 22:07
Gostei muito deste texto, é mesmo assim, eu também tenho dois filhos que são a luz dos meus olhos. Beijinhos e boa semana.
De daplanicie a 20 de Setembro de 2009 às 23:27
Então sabes perfeitamente do que estou a falar, amiga! :-)
Beijinhos e obrigada pela visita. Uma boa semana é o que te desejo
De Infiel a 20 de Setembro de 2009 às 22:10

gostei muito do post
sentido e verdadeiro

bem vinda

De daplanicie a 20 de Setembro de 2009 às 23:32
Muito obrigada pelas tuas palavras. Sê tu também muito bem vinda a este humilde cantinho!
Beijinhos
De guiga a 23 de Setembro de 2009 às 16:37
Oh... Estou emocionada... És uma querida!
Eu gosto de te ler, por isso não permito que fiques tanto tempo longe! Estamos entendidas!?!? :P
Beijos *.*
De daplanicie a 23 de Setembro de 2009 às 23:16
Estamos entendidas!
Peço mil desculpas por não ter comentado o teu blog nos últimos tempos das vezes que lá entrei. Estou a par das novidades, umas boas, outras menos boas mas espero que as menos boas sejam coisas passageiras e que o noivo esteja pronto para andar sem dificuldades no dia do casamento.
Beijinhos grandes e obrigada por tudo!
De gotadeorvalho a 23 de Setembro de 2009 às 22:06

Olá!!!
Fico contente por saber que voltaste a escrever . Este texto é muito lindo. Comovente o amor que sentes pelo teus filhos. Lindo, lindo. És uma boa mãe.
Fica bem, amiga, e volta sempre.

Beijinho.
De daplanicie a 23 de Setembro de 2009 às 23:19
O amor que eu sinto pelos meus filhos não é maior do que o que todas as outras sentem, acredita. Apenas nem sempre o pomos em palavras porque nem sempre é fácil falar e expor sentimentos. Muito obrigada pelas tuas palavras tão carinhosas!
Beijinhos

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Emocionalmente Saudável

. Ano Novo, Vida Velha

. Esperar

. Aos meus amigos

. O valioso tempo dos madur...

. Filhos

. Sinto-me...

. Hoje

. Tirar o "S" da CRISE

. Chuva...chuva...chuva

.arquivos

. Janeiro 2014

. Julho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on-line

website stats

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds