Sexta-feira, 13 de Julho de 2007

Até morrer II

Na continuação do tema que abordei num post recente surgem agora novas notícias de docentes que são forçados a trabalhar, vendo recusada a reforma por incapacidade apesar dos relatórios médicos que fornecem indicações em contrário.

Estes dois novos casos surgem mesmo em plena polémica pelas idênticas decisões de juntas médicas da CGA que levaram a que dois outros docentes morressem no activo depois de terem visto recusado o seu pedido e atropelados os seus direitos como seres humanos.

Uma das docentes que viu agora o seu pedido recusado é uma professora do 1º Ciclo de Cabeceiras de Basto, com um cancro da nasofaringe que poderá ser obrigada a retomar as suas funções na escola em Fevereiro do próximo ano, que é quando termina o prazo de 36 meses de faltas que pode dar por doença. O cancro foi-lhe diagnosticado em 98 e foi sujeita a tratamentos de quimioterapia e radioterapia que lhe deixaram sequelas graves ao nível da fala e da audição o que, como é óbvio para quem tiver "dois dedos de testa" a impede de leccionar.

Apesar disto a docente já viu recusados dois pedidos de aposentação que fez ao abrigo de uma legislação especial para pessoas que sofram de doença oncológica e outras igualmente graves mas que pelos vistos só serve para estar no papel como nos mostram casos recentes.

Para culminar o inacreditável desta situação, na última junta médica mandaram-na a uma consulta de otorrinolaringologia onde o médico, que deve ser muito inteligente, lhe disse que se fizesse uma limpeza aos ouvidos e arranjasse os dentes ficava muito bem. Tudo isto apesar de a docente ter relatórios de vários oncologistas afirmando que as sequelas são irreversíveis e se devem aos tratamentos que fez, não se encontrando com capacidades para exercer a sua profissão.

Ontem, a SIC noticiou também o caso de uma professora do Porto, vítima de cancro da mama, a quem foi igualmente recusada a reforma antecipada apesar dos três relatórios médicos a atestar que nunca mais poderá trabalhar, relatórios esses que foram pura e simplesmente ignorados pela CGA .

publicado por daplanicie às 09:39

link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Marta Santos a 13 de Julho de 2007 às 10:54
Isto é completamente ridículo... Se houvesse falta de professores talvez tivesse uma pontinha de lógica, mas com tantos e tantos professores no desemprego e a trabalhar em caixas de supermercado querem obrigar a trabalhar os doentes...

Este país é de facto uma comédia...

bjs**
De daplanicie a 13 de Julho de 2007 às 12:20
Permite-me uma correcção. Este país é ...uma tragédia!! Beijinho
De drink a 13 de Julho de 2007 às 12:33
também estava para escrever sobre isso.. são coisas que não têm logica de ser..!

bjinho
De daplanicie a 13 de Julho de 2007 às 12:36
Pois...não sei se é impressão minha mas parece-me que cada vez está tudo mais ilógico!!
De Júlia a 13 de Julho de 2007 às 15:07
Estas situações são inadmissíveis. No entanto, gostaria de deixar um esclarecimento sobre o modo como se processam estes casos. Até porque tenho conhecimento directo de um professor que está numa situação semelhante de doença cardíaca grave e também já lhe recusaram a aposentação.
O que acontece é que os médicos que o operaram e o acompanham têm feito relatórios a recomendar a aposentação do professor. Ele foi à junta médica e estes senhores acharam que não havia motivo para ele se aposentar. Sublinho que foi a junta médica que decidiu contra o parecer dos outros médicos especialistas.
Como o que vale para a Caixa Geral de Aposentações é o relatório da junta médica, não conseguiu a aposentação.
Agora veja: se as juntas são compostas por médicos (ou deveriam ser), estes estão a desautorizar o parecer dos especialistas. É por isso que a Ordem dos Médicos já veio também meter-se na questão das juntas médicas e o Governo já tomou a decisão que foi noticiada pela comunicação social.
É claro que nestas notícias há uma certa manipulação feita pela comunicação social, seja por incompetência e desconhecimento dos processos que são seguidos nestes casos. E as responsabilidades não são atribuídas a quem os provoca.

Se lhe contasse a minha experiência com juntas médicas, ia rir-se de certeza. Mas como já aconteceu há muito tempo, julgava que as coisas tinham melhorado até ter conhecimento destes casos.
Bjs
De RCataluna a 14 de Julho de 2007 às 00:37
Isto é o reflexo de uma país atrasado e idiota! Inqualificável!
De flor_incognita a 14 de Julho de 2007 às 08:58
Nem sei como me expressar em relação a um assunto destes...é simplesmente...deplurável!
Bom fim de semana
beijo

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Emocionalmente Saudável

. Ano Novo, Vida Velha

. Esperar

. Aos meus amigos

. O valioso tempo dos madur...

. Filhos

. Sinto-me...

. Hoje

. Tirar o "S" da CRISE

. Chuva...chuva...chuva

.arquivos

. Janeiro 2014

. Julho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on-line

website stats

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds